Decreto Regulamentar Regional n.º 17/2011/A, de 02 de Agosto de 2011

 
TRECHO GRÁTIS

Decreto Regulamentar Regional n.º 17/2011/A Estabelece o conjunto de competências -chave e aprova o referencial curricular para a educação básica na Região Autónoma dos Açores O Decreto Legislativo Regional n.º 21/2010/A, de 24 de Junho, ao estabelecer os princípios orientadores da orga- nização e da gestão curricular da educação básica, veio definir o currículo regional como o conjunto de competên- cias a desenvolver pelos alunos que frequentam o sistema educativo regional ao longo da educação básica, o desenho curricular, as orientações metodológicas, os contributos das diferentes áreas curriculares para a abordagem da açoria- nidade e as orientações para a avaliação das competências e aprendizagens dos alunos.

Cumpre agora desenvolver o conceito de currículo regio- nal da educação básica, determinando as competências- -chave que se consideram estruturantes para a formação integral e integrada dos alunos, num contexto de açoria- nidade e de cidadania global, e, bem assim, estabelecer o referencial curricular como um projecto dinâmico e flexível que contempla o que se considera essencial em termos de competências, temas transversais, orientações metodoló- gicas e avaliação, incentivando a autonomia curricular das escolas na sua adequação aos contextos locais.

Assume -se assim um conceito de competência que implica a capacidade de realizar tarefas e confrontar situ- ações diversas, de uma forma pertinente e eficaz, num con- texto determinado, mobilizando de forma inter -relacionada conhecimentos, capacidades e atitudes.

Deste modo, valorizam -se a significatividade e a relevância das apren- dizagens escolares e o papel activo do aluno na relação com os saberes, sejam eles disciplinares, interdisciplinares ou meta -disciplinares.

O desenvolvimento das competências -chave concretiza- -se no trabalho articulado à volta do conceito nuclear de educação para o desenvolvimento sustentável (EDS), reco- nhecido como imprescindível à promoção de uma cidada- nia democrática, no contexto da açorianidade.

A opção por este tema transversal justifica -se pela necessidade urgente dos sistemas educativos contribuírem decisivamente para a consecução dos objectivos do desenvolvimento sustentá- vel, definidos por várias organizações internacionais, com destaque para a ONU, no âmbito da década das Nações Unidas para a EDS. Nesta abordagem de EDS importa promover o progres- sivo domínio de competências necessárias à compreensão de que as acções humanas individuais e locais contribuem de forma decisiva e complexa para as mudanças globais, não se podendo, portanto, considerar isoladamente cada uma destas vertentes.

Em regiões insulares, as questões do desenvolvimento sustentável assumem uma especificidade que exige res- postas curriculares sensíveis à identidade regional.

No caso particular dos Açores, a identidade arquipelágica exprime -se através do fenómeno da açorianidade, conceito criado por Vitorino Nemésio por referência ao modo de ser do açoriano e à sua relação com o mundo, marcada pela geografia e pela história.

Assim sendo, o currículo regional da educação básica representa essa realidade ao nível do sistema educativo dos Açores, constituindo -se como um instrumento que visa garantir a sua valorização.

Numa lógica de forma- ção integral do aluno, através do desenvolvimento de competências -chave, esta valorização promove -se, quer através da abordagem de conteúdos relativos a fenómenos que se manifestam nos Açores de forma peculiar, quer através do aproveitamento de recursos locais, sem prejuízo do cumprimento do currículo nacional.

Assim, nos termos da alínea

  1. do n.º 1 do artigo 227.º da Constituição e da alínea

  2. do n.º 1 do artigo 89.º do Estatuto Político -Administrativo da Região Autónoma dos Açores, e do artigo 9.º do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2010/A, de 25 de Junho, o Governo Regional decreta o seguinte: Artigo 1.º Objecto e âmbito O presente diploma enumera e define as competências- -chave estruturantes para a formação integral e integrada dos alunos e aprova o referencial curricular para a educação básica na Região Autónoma dos Açores, anexo ao presente diploma, do qual faz parte integrante.

    Artigo 2.º Competências -chave O currículo regional da educação básica organiza -se a partir das seguintes competências -chave:

  3. Competência em línguas — capacidade de, quer na língua portuguesa, quer nas línguas estrangeiras, expressar e interpretar conceitos, pensamentos, sentimentos, factos e opiniões, tanto oralmente como por escrito (ouvir/ver, falar, ler e escrever), e de interagir linguisticamente de forma apropriada e criativa em situações de natureza diversa e em diferentes tipos de contextos.

    No que diz particular- mente respeito às línguas estrangeiras, esta competência integra a competência plurilinguística e a compreensão intercultural;

  4. Competência matemática — capacidade de reco- nhecer e interpretar problemas que surgem em diferentes âmbitos (familiares, sociais ou académicos), de os traduzir em linguagem e contextos matemáticos e de os resolver, adoptando procedimentos adequados.

    Esta competência implica, também, a capacidade de interpretar, formular e comunicar os resultados, bem como uma atitude positiva, baseada no respeito pela verdade, na vontade de encontrar argumentos e na avaliação da respectiva validade;

  5. Competência científica e tecnológica — capacidade de mobilizar conhecimentos, processos e ferramentas para explicar o mundo físico e social, a fim de colocar questões e de lhes dar respostas fundamentadas.

    A competência em ciências e tecnologia implica a compreensão das mudanças causadas pela actividade humana e a responsabilização de cada indivíduo no exercício da cidadania.

    No que se refere especificamente à vertente tecnológica, esta competência implica, ainda, a capacidade de aplicar criticamente esses conhecimentos e metodologias para dar resposta às neces- sidades e aspirações da sociedade contemporânea;

  6. Competência cultural e artística — capacidade de compreender a sua própria cultura e as demais, desenvol- vendo quer um sentimento de identidade quer o respeito pela diversidade cultural.

    No que diz particularmente res- peito à vertente artística, esta competência implica a capa- cidade de comunicar e interpretar significados veiculados pelas linguagens das artes, promovendo a sensibilidade estética e o desenvolvimento emocional, valorizando a expressão individual e colectiva e a criação enquanto pro- cesso;

  7. Competência digital — capacidade de procurar, processar, avaliar e comunicar informação em diferentes linguagens (verbal, numérica, icónica, visual, gráfica e sonora), suportes (oral, impresso, áudio -visual, digital e multimédia) e contextos (familiar, académico e sócio- -cultural), de forma crítica, responsável e eficiente.

    Esta competência implica o reconhecimento do papel e oportu- nidades proporcionadas pelas tecnologias de informação e comunicação na vivência quotidiana, bem como o respeito pelas normas de conduta consensualizadas socialmente para regular a sua criação e utilização;

  8. Competência físico -motora — capacidade de relacio- nar harmoniosamente o corpo com o espaço numa pers- pectiva pessoal e interpessoal, adoptando estilos de vida saudáveis e ambientalmente responsáveis.

    Esta competên- cia implica a apropriação de conhecimentos, habilidades técnicas e atitudes relacionados com a actividade física, com a promoção da qualidade de vida;

  9. Competência de autonomia e gestão da aprendiza- gem — conjunto de capacidades e atitudes que permite o desenvolvimento equilibrado do autoconceito, a tomada de decisões e a acção responsável.

    Esta competência implica, também, a análise, a gestão e a avaliação da acção indivi- dual e colectiva em vários domínios, incluindo a própria aprendizagem.

    Permite, ainda, a definição de projectos adequados aos contextos.

    No que se refere especifica- mente à gestão da aprendizagem, esta competência está associada à capacidade de auto -organização do estudo e à mobilização de estratégias cognitivas e metacognitivas e de atitudes sócio -afectivas nos processos de auto -regulação — planificação, monitorização e avaliação — da aprendi- zagem, isto é, «aprender a aprender»;

  10. Competência social e de cidadania — capacidade de conhecer, valorizar e respeitar os outros e o mundo, procurando uma harmonização entre direitos, interesses, necessidades e identidades individuais e colectivas.

    O desenvolvimento desta competência implica, ainda, a capa- cidade de participar de forma eficaz e construtiva em dife- rentes contextos relacionais, cooperando com os outros, exercendo direitos e deveres de forma crítica, responsável e solidária e resolvendo conflitos quando necessário, num quadro de defesa dos valores democráticos que garantem a vida em comum.

    Artigo 3.º Entrada em vigor O presente diploma entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

    Aprovado em Conselho do Governo Regional, em Velas, São Jorge, em 23 de Maio de 2011. O Presidente do Governo Regional, Carlos Manuel Martins do Vale César.

    Assinado em Angra do Heroísmo em 21 de Julho de 2011. Publique -se.

    O Representante da República para a Região Autónoma dos Açores, Pedro Manuel dos Reis Alves Catarino.

    ANEXO Referencial curricular para a educação básica na Região Autónoma dos Açores Introdução A tradição curricular portuguesa caracteriza -se por um elevado grau de centralização nas decisões, associado à produção de documentos curriculares muito prescritivos e uniformizadores.

    Neste quadro, não é surpreendente que durante muito tempo o currículo, ao contrário de outras matérias sujeitas à decisão política, não tenha sido objecto do exercício do poder legislativo na Região Autónoma dos Açores.

    A publicação da Lei de Bases do Sistema Educativo marca o início de uma tendência de abertura progressiva do currículo nacional a adaptações de âmbito...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO