Decreto-Lei n.º 436/75, de 16 de Agosto de 1975

Decreto-Lei n.º 436/75 de 16 de Agosto Por resolução do Conselho de Ministros de 11 de Abril de 1975, publicada no Diário do Governo, 1.' série, de 23 do mesmo mês, foi decidida a apresentação à falência da Companhia Nacional Editora, S. A. R. L.

Das 3000 acções representativas do capital social da sociedade, 2963 pertencem ao Estado, por para ele terem revertido os bens da Acção Nacional Popular, que era a sua titular, nos termos do artigo 1.º, n.º 2, do Decreto-Lei n.º 172/74, de 25 de Abril.

Dissolvida a Acção Nacional Popular, devem considerar-se dissolvidos os órgãos sociais da Companhia Nacional Editora, todos eles pertença daquela associação por força do artigo 32.º dos estatutos. Todavia, dúvidas poderão surgir quanto àquela dissolução automática, que importa arredar.

Nos termos do artigo 1290.º, n.º 1, do Código de Processo Civil, o requerimento de apresentação à falência será feito pela administração da sociedade, que, entre outros documentos, deverá juntar uma certidão da acta da assembleia geral em que se tenha deliberado a apresentação.

Na impossibilidade de o conselho de administração ou o conselho fiscal requererem a convocação da assembleia geral extraordinária, teriam de ser os accionistas, que representem a vigésima parte do capital subscrito, a requererem tal convocação, nos termos do artigo 180.º do Código Comercial.

Só o Estado poderia, assim, requerer tal convocação, através do processo do artigo 1486.º do Código de Processo Civil.

Mas a assembleia geral não poderia funcionar em primeira convocação por o artigo 13.º dos estatutos exigir para esse funcionamento a presença de, pelo menos, dez accionistas, representando 40% do capital realizado.

Na segunda reunião deliberar-se-ia necessariamente que os cargos sociais fossem desempenhados pelo Estado, dado a ele pertencer a quase exclusividade do capital social.

E nessa reunião se poderia igualmente deliberar a apresentação à falência, da responsabilidade do Estado, através das pessoas designadas para o representarem nasociedade.

Processo moroso, que a actual dinâmica da sociedade portuguesa desaconselha, sobretudo quando apenas se pretende uma deliberação de apresentação à...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO