Resolução do Conselho de Ministros n.º 63/2008, de 07 de Abril de 2008

 
TRECHO GRÁTIS

Resolução do Conselho de Ministros n.º 63/2008 O apoio à inserção de 1000 jovens licenciados em áreas científicas, tecnológicas e de gestão em pequenas e médias empresas, com vista a estimular a capacidade de inovação e de gestão dessas empresas e a facilitar a transição para a vida activa desses jovens, constituiu a primeira medida tomada pelo XVII Governo, na reunião do Conselho de Ministros realizada a 24 de Março de 2005. Através da aprovação da Resolução do Conse- lho de Ministros n.º 87/2005, de 29 de Abril, que criou o Programa INOV -JOVEM, foi dado cumprimento ao compromisso assumido e lançada a primeira medida do Plano Tecnológico, instrumento central da estratégia de modernização do País.

O Programa INOV -JOVEM foi de seguida complemen- tado pela aposta do Governo no reforço de um programa de estágios internacionais também para jovens qualifica- dos, através do Programa INOV Contacto, adoptado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 93/2005, de 20 de Maio.

Para o efeito, apostou -se no apoio à qualifica- ção no estrangeiro de jovens profissionais e técnicos das empresas, em áreas chave do conhecimento, dotando -os designadamente de competências efectivas no domínio da inovação, com vista ao reforço da competitividade das empresas e da empregabilidade desses jovens.

Estes Programas constituíram, assim, dois instrumentos emblemáticos da linha estratégica fundamental que foi de- finida para estimular o nosso crescimento económico, criar mais e melhores empregos e reforçar a coesão social e que se pode resumir em três apostas nucleares: conhecimento, tecnologia e inovação.

Três anos após o lançamento destes dois Programas e feito um balanço da sua execução e dos seus impactes nos jovens e nas empresas envolvidas, facilmente se concluiu pelo sucesso que os mesmos obtiveram.

O Programa INOV- -JOVEM, inicialmente concebido para envolver 1000 jo- vens, abrangeu durante estes anos mais de 4600 jovens, que por esta via realizaram um estágio profissional, acom- panhado numa das suas medidas por uma formação espe- cífica, ou foram contratados, sem termo, por pequenas e médias empresas.

Foi, assim, muito significativa a adesão das empresas e dos jovens a este Programa, demonstrando que o mesmo veio dar resposta a uma necessidade sentida por ambos de disporem de um instrumento que ajude a construir a ponte entre as necessidades dessas empresas e as competências produzidas pelo nosso sistema de edu- cação e formação.

Mas mais importante que a adesão ao Programa INOV- -JOVEM por parte...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO